Conferência propõe debate sobre as práticas pedagógicas, sob uma perspectiva social
7 de setembro de 2018 Congresso de Professores, Notícias

Conferência 2 (3) (Copy)Os inscritos no IV Congresso Nacional de Educação Notre Dame participaram, nesta tarde, da conferência “As práticas escolares e as relações sociais: educar para a vida”, ministrada pelo filósofo, historiador, pedagogo e doutor em Educação, César Nunes.

Durante sua explanação, de forma bem-humorada e carismática, ele apresentou características históricas e atuais da educação brasileira, relacionando-as com fatores sociais e com experiências que marcaram sua vida escolar, familiar e profissional. Em meio aos relatos, destacou a importância da participação da família e de um bom ambiente escolar para o sucesso da educação. “Educar é humanizar. Precisamos de escolas que acolhem e de currículos que humanizam”, frisou.

De forma especial, ainda, ressaltou que as práticas pedagógicas devem ser norteadas pelo amor e pela compreensão de que todos são capazes de aprender – e não por ações autoritárias, seletivas e restritivas. Além disso, segundo o conferencista, as instituições de ensino devem valorizar as competências de seus estudantes, tais como a criatividade, a generosidade e a aptidão de conviver em grupo e de trabalhar em equipe – e não apenas seus saberes teóricos, por meio de avaliações.

Conferência 2 (37) (Copy)A forma como os docentes transmitem o conhecimento às crianças e aos adolescentes também foi abordada por ele. “Mais importante que o domínio do conteúdo é a didática que o professor utiliza para transmiti-lo”, afirmou, enfatizando a importância da relação entre educador e educando. “A criança deve se sentir amada pelo professor. É isso que a faz voltar à escola todos os dias”, salientou.

Por fim, ainda, destacou o papel do educador em um sistema educacional que está em processo de transformação – estimulado pelas mudanças sociais. Segundo ele, além de ser aquele que estuda e professa, o professor deve estar comprometido com o fenômeno educativo, ensinando com amor, valorizando a diversidade e as relações humanas e compreendendo as particularidades de cada indivíduo.